Inflamação associada à depressão

29-10-2021

Os investigadores estão cada vez mais a reconhecer que a depressão é uma condição enraizada na inflamação crónica. A inflamação ocorre em todo o corpo como resultado de stress não gerido, activação de pensamentos e sentimentos de luta-ou-voo, e alimentos inflamatórios e outras substâncias. Certas citocinas e outros mensageiros inflamatórios, tais como CRP, IL-1, IL-6 e TNF-alfa, são preditivas e correlacionadas com a depressão. Mercola escreve: "Por exemplo, em depressão melancólica, transtorno bipolar e depressão pós-parto, os glóbulos brancos chamados monócitos expressam genes pró-inflamatórios que provocam a secreção de citocinas". A sensibilidade ao cortisol diminui depois, mas o cortisol é uma hormona de stress que protege contra a inflamação. "Juntos", observa Mercola, "estes agentes inflamatórios transferem informação para o seu sistema nervoso, geralmente estimulando o seu nervo vago, que liga o seu intestino e o seu cérebro". Isto é importante porque o nervo vago desempenha um papel central na saúde dos órgãos digestivos e do coração, incluindo a produção de serotonina.

Os investigadores acreditam que pelo menos um terço dos doentes deprimidos têm níveis elevados de inflamação. Os anti-inflamatórios têm demonstrado alterar favoravelmente as vias neuroquímicas envolvidas na depressão. No entanto, existem agentes anti-inflamatórios naturais, incluindo curcumina (de curcuma) e boswellia. A cetose nutricional também reduz a inflamação. Os ácidos gordos omega-3 de origem animal (salmão, óleo de peixe) e a vitamina D3 são também importantes nutrientes anti-inflamatórios. Além disso, o yoga e a respiração profunda relaxam o sistema nervoso simpático e, por sua vez, acalmam o nervo vago.

Adaptado de "Depressão ligada à Inflamação ganha força", por Joseph Mercola, DO, em https://articles.mercola.com. Uma lista geral de agentes anti-inflamatórios disponíveis em https://greenmedinfo.com/pharmacological-action/anti-inflammatory-agents.